Como otimizar o tempo entre plantões médicos?

blog_edumedica_2

Após a conclusão da graduação em medicina, surge uma grande preocupação para o médico recém-formado: a inclusão no mercado de trabalho.

As opções são diversas: serviços de pronto-atendimento, enfermarias, ambulatórios, eventos, ambulâncias e remoções.

Essa grande variedade, associada à vontade de exercer a tão almejada profissão e, frequentemente, à necessidade financeira, podem levar os novos médicos a uma rotina de plantões que, se não forem devidamente organizadas, podem comprometer suas atividades profissionais e pessoais. Essa situação pode ser ainda mais acentuada para os médicos cursando alguma especialização, estágio ou residência médica.

Como solução, muitos médicos optam por longas jornadas de trabalho em um mesmo serviço, realizando plantões de 24, 36 e até 48 horas. Embora pareça uma solução, essa decisão pode se mostrar um grande problema, predispondo a queda de seu rendimento na prática médica e ,muitas vezes, com consequências sérias e/ou irreparáveis.

Surge, então, uma necessidade de organização para o tempo entre os plantões, que acaba sendo – muitas vezes – o único tempo livre para esses médicos.

Vamos dar algumas sugestões para otimizar o tempo entre os plantões.

1. Defina seus objetivos e prioridades

O primeiro passo é estabelecer seus objetivos e determinar suas prioridades. Para muitos, médicos que estão cursando alguma especialização, os plantões são a fonte de renda para arcar os custos diários e permitir a realização do curso em andamento. Para outros, a intenção pode ser acumular capital para atividades pessoais (imóveis, viagens, casamento) ou investimento profissional (estágios internacionais, fellows, abertura de consultório).

Estabelecer as suas prioridades permite um melhor planejamento financeiro e, com isso, determinar a sua real necessidade de plantões.

2. Escolha locais próximos e acessíveis

Uma das grandes dificuldades da atualidade, principalmente em grandes cidades, é o deslocamento. O trânsito, a dificuldade de acesso, o preço dos meios de transporte e a segurança do trajeto são aspectos muitas vezes esquecidos ao escolhermos locais para trabalhar e que só percebemos sua relevância após o início das atividades, gerando cansaço físico e estresse psicológico.

A escolha de locais de trabalho próximos de sua moradia – ou mesmo próximos uns dos outros – faz com que o tempo de deslocamento seja menor, assim como seu desgaste físico e mental. Além disso, a economia com os meios de transporte pode ser um diferencial, não podendo ser esquecido na hora de calcular e comparar financeiramente duas oportunidades de trabalho em locais distintos.

3. Alterne seu local de trabalho

As sequencias de plantões podem ser ainda mais cansativas com a repetição de um mesmo ambiente. Se você trabalhar em apenas um local, quando possível, tente alternar a sua sala de atendimento, realizar refeições em locais diferentes ou exercer atividades distintas em relação ao plantão interior. Essas pequenas mudanças podem trazer a sensação de um novo ciclo de trabalho e não a continuação de um plantão interminável.

4. Dê valor ao seu tempo livre

Não encare o seu tempo de descanso como tempo perdido ou como uma oportunidade perdida de trabalhar e ganhar mais. Primeiramente, a sua qualidade de sono durante algum plantão dificilmente será igual à de um momento em que você está de folga. Além disso, muitas vezes não percebemos a nossa queda de rendimento durante plantões sequenciais, embora ela ocorra. Basta fazermos uma comparação com a nossa capacidade de nos concentrarmos por longos períodos em uma aula ou palestra. Se o nosso rendimento cai nessas situações, por que você acha que seria diferente agora?

5. Tenha uma atividade desestressante

Geralmente, plantões apresentam durações superiores a seis horas. Durante esse período, ficamos em um ambiente fechado, frequentemente bastante movimentado e, não raramente, barulhento. Todos esses fatores contribuem para o aumento do estresse, principalmente psicológico.

Durante seu período entre plantões, busque realizar alguma atividade para aliviar seu estresse. Exercícios físicos, meditação, ou mesmo uma simples caminhada de 20 a 30 minutos ao ar livre do seu local de trabalho para sua casa em vez de pegar um metrô lotado ou passar quase o mesmo período no trânsito em um taxi ou motorista de aplicativo já pode diminuir seu estresse e melhorar seu humor ao chegar em casa. Obviamente, com segurança.

Espero que tenham aproveitado as dicas e lembrem-se sempre de fazer as escolhas mais seguras para você e para o seus pacientes.

Autor: Dr. Rodrigo Marcus Cunha Frati

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn